Todos temos algo em comum em relação às cores, de acordo com nosso ponto de vista pessoal e influências culturais. Mas a percepção das cores é, em última análise, uma experiência muito pessoal.


O olho humano é capaz de discernir 10 milhões de cores.


E não pense que o significado das cores é sempre uniforme e unânime. O simbolismo das cores está cheio de contradições, muitas vezes dentro da mesma cultura.


Desde 1810 as cores vêm sendo estudadas de maneira mais sistemática e, desde então, várias teorias foram elaboradas.


Existem também os “arquétipos” relacionados às cores, que são associações primitivas arraigadas em nosso inconsciente sobre o significado das cores na natureza. Verde nos remete à plantação, floresta, assim como azul nos remete à céu e mar. No sentido de alimentação, escolhemos nossos alimentos (ou os rejeitamos), muitas vezes, baseados em suas cores.

A cor e suas múltiplas tonalidades pode influenciar mais o gosto dos alimentos do que as marcas são capazes de fazer.


A cor como símbolo de Fé e Esperança.

Os Americanos usam uma fita amarela para demonstrar apoio aos parentes que foram para a guerra na esperança de seu retorno.

Outro exemplo, bem mais famoso, de uso de fitas de uma determinada cor é o caso das pessoas acometidas pelo vírus da AIDS. Aqueles que estão sofrendo por terem uma pessoa amada nesta condição usam uma fita vermelha.

Mais recentemente temos o Outubro Rosa (Câncer de mama) e o Setembro Amarelo (prevenção contra o suicídio).

Temos também a bicicleta branca ou, como é conhecida no meio “A bicicleta fantasma” que é usada para lembrar ciclistas atropelados ou mortos por atropelamento cujo significado foi ampliado para o de uma consciência social sobre os problemas enfrentados pelas pessoas como uma comunidade em termos de segurança nas vias públicas.

A cor para representar gênero

O rosa como a cor ocidental do sexo feminino está sendo bastante questionada atualmente, mas ainda resiste, assim como o azul para os homens (vide recente declaração de uma Ministra do Governo Bolsonaro).

As cores representam causas, azul (na Web) para a defesa da Liberdade de Expressão e o Arco-íris como símbolo da causa LGBT (Lesbian, Gay, Bisexual, Transgender and Intersex) na sigla em inglês que podemos traduzir como Lésbicas, Gays, Bissexuais e Intersexuais.

Já os nazistas usavam um triângulo rosa para marcar os homossexuais nos campos de concentração.

A cor nos negócios

A macha negra é usada para simbolizar as ideias fundamentais da economia capitalista contemporânea e reconhecer que apenas poucas corporações controlam a maioria do mercado de consumo. Este símbolo também é usado para representar a luta contra o trabalho escravo e a idolatria às marcas em uma época de consumismo desenfreado.

A escolha das cores

Quando precisamos escolher o uso das cores se faz necessário o uso de alguns critérios como contraste, legibilidade, simbologia, adequação ao meio, sentimento a ser transmitido, humor, local de uso, cultura e até mesmo a religião daqueles que serão expostos às cores escolhidas para as peças de comunicação que estamos planejando.

Como recomendação geral, deve-se manter uma paleta de cores reduzida para garantir a transmissão rápida e clara da mensagem.

As cores (exceto as neutras como o branco, o preto e o cinza) devem ser reservadas para as informações que devem ser destacadas, dentro de uma hierarquia de importância.

Em qualquer projeto é essencial atender aos anseios do público-alvo, assim deve-se tomar um cuidado especial com as pessoas que possuem alguma limitação na identificação das cores como os daltônicos, por exemplo.

Lembre-se de que as cores são um elemento de conexão com as pessoas, até mesmo os Chacras têm suas cores correspondentes:


  • O Violeta é a cor do Chacra da coroa;
  • O Azul é a cor do Chacra da 3ª visão;
  • O Ciano é a cor do Chacra da garanta;
  • O Verde é a cor do Chacra do coração;
  • O Amarelo é a cor do Chacra do Plexo Solar;
  • O Laranja é a cor do Chacra Sacral;
  • O Vermelho é a cor do Chacra básico.

Enfim, as cores têm significado, influenciam sentimentos e nosso humor, estão relacionadas à cultura local, à religião, têm aspectos medicinais e terapêuticos, políticos e sociais, isto antes mesmo de considerar os objetivos de ‘marketing’ e posicionamento quando o assunto é marca ou produto. Para fazer bom uso delas, devemos estar atentos à todas as variáveis aplicáveis àquilo que estivermos fazendo.

Até o próximo post!